Calcular o retorno total da ação

Calcular o retorno total da ação

Vamos ilustrar nesse artigo como funciona a dinâmica de retorno das ações na bolsa de valores. Vou usar um exemplo para mostrar como devemos calcular o retorno total de um ativo que distribui dividendos. Muitas pessoas só analisam o retorno das ações olhando apenas os ganhos de capital ou apenas os dividendos. Quando se tem um ativo na carteira deve-se olhar os dois.

Madara e seu Opala

Hoje pedi emprestado ao meu primo Madara $10.000 e prometi retornar essa grana daqui a 1 ano. Eu até dei a ele um papel com minha assinatura, comprometendo-me a paga-lo. Se não pagar, o primo Madara poderá colocar-me no SPC. Do ponto de vista do Madara esse negócio é um investimento, do meu ponto de vista é uma dívida.

Se o Madara é meu amigo ele certamente iria emprestar essa grana sem cobrar juros. Para não ficar apenas na amizade e comprometer meu relacionamento com o Madara, adicionei um prêmio de $800 que posso pagar aos pouco antes de encerrar a minha dívida. Então eu irei pagar os $10.000 do empréstimo e $800 de juros ao Madara.

Os $800 serão pagos em até um ano. Esse valor é conhecido como Dividend Yield. No caso esse empréstimo tem um Yield de 8% que é os $800 dividido por $10.000. Os 8% são bem mais que a inflação da época e provê um retorno decente para o meu primo.

Logo depois de emprestar o dinheiro, Madara abriu o jornal e viu o anuncio de um Opala Coupé 75. Ligou para o anunciante. Kakashi disse-lhe que o Opala custava exatos $10.000. Infelizmente, ao menos pela perspectiva do Madara, ele não pode obrigar-me a devolver o dinheiro emprestado. Tenho uma obrigação legal de apenas devolver a grana depois de um ano.

Opala do Madara
Opala do Madara

Madara pensou em ir em algum banco e pegar um empréstimo para comprar o Opala, mas os juros não seriam convidativos. Então Madara chegou até você e mostrou-lhe a nota de crédito que ele tem comigo. Ofereceu vender essa nota de credito a você.

Você que não é nada bobo, sorri para Madara e diz que pagaria $9.500 pela nota de crédito. Madara vende na hora a nota para você, ele está doido para comprar um Opala a muito tempo, e não se importaria em perder $500 nessa jogada.

Vamos considerar a situação agora do seu ponto de vista. Os termos da nota do empréstimo não mudaram, eu irei pagar os $10.000 do principal a você e ainda os $800 de juros. Se você comprou a nota por $9.500 você teve um ganho de capital de $500 além dos 8% de Yield.

Os ganhos vieram de dois lugares, ganho de capital e dividendos.

$800 de juros / $9.500 = yield de 8,4%

+ $500 ganho de capital / $9.500 = ganho de capital de 5,3%

= $1.300 lucro total / $9.500 investimento = retorno total de 13,7%

É Gordon mas não é o comissário

Nós acabamos de ver com o exemplo do Madara que não é correto olhar de forma isolada Dividend Yield ou Ganho de Capital para medir o retorno de um ativo.

É muito comum aqui no blog aparecer pessoas dizendo: “nossa Viver de Dividendos essa ativo não é atrativo porque tem X% de Dividend Yield.”

Ou as vezes, muito pior, eles chegam falando: “nossa Viver de Dividendos esse ativo tem um P/L muito alto, eu não invisto em empresas com esse P/L.”

Talvez você esteja chegando aqui pela primeira vez e não tenha visto alguns artigos que escrevi mostrando porque isso é errado.

Sobre olhar Dividend Yield escrevi que é melhor olhar o crescimento do DPA e não o DY do ativo.

Sobre usar P/L para analisar retorno de ativo eu já escrevi um artigo mostrando como utilizar o Dividend Discont Model do Gordon Growth Model.

O Modelo de Desconto de Dividendos mais conhecido como DDM é usado para valorizar o preço de uma ação usando dividendos futuros previstos e descontando-os de volta o valor presente. Se o valor do calculo for maior que o valor atual da ação significa que a mesma está subvalorizada.

O Modelo foi desenvolvido por Myron J. Gordon e Eli Shapiro, mas a fórmula ficou conhecida como Modelo de Gordon.

Calculando o retorno total

Toda semana na minha página de Carteira, são uns três comentários sobre retorno dos meus ativos. É comum aparecer algo como: “Viver você recebe X de dividendos e tem investido Y, eu achei muito pouco”. Podem acessar lá que vai ver inúmeros casos desses nos comentários.

Acho engraçado que pessoas assim não conseguiram ainda entender o básico de um investimento em ação. O RETORNO TOTAL que apresentei no início do artigo, e querem questionar a estratégia alheia.

Ao longo desses quase 5 anos investindo na bolsa, em ações de crescimento de dividendos, minha bola de neve multiplicou de forma bem agressiva. Mas os caras não conseguem ver, pois isso é só uma ponta do iceberg a outra parte está no ganho de capital.

Dividendos recebidos anualmente até 2018
Dividendos recebidos anualmente até 2018

Pega por exemplo os ganhos de patrimônio. Venho publicando todos os meses nos artigos sobre orçamentos, e verá o poder que as ações possuem quando considera-se o retorno total.

Aumento de patrimônio de 2,79% num único mês
Aumento de patrimônio de 2,79% num único mês. Veja o Twitter aqui.

Peters do MorningStar simplificou a fórmula de retorno total fazendo o seguinte:

Dividend Yield + Dividend Growth = Retorno total esperado

Peters Total Return Model

Troque suas fraldas mas não troque a JNJ de mãos

Vamos ilustrar isso com o exemplo da Johnson & Johnson. Se olharmos apenas o Dividend Yield da JNJ teremos um retorno anual de 2,59% sendo o dividendo atual de $3,60 ao ano dividido pelo preço de $139,20 (cotação de 25/04/2019).

Um Yield em dólar de 2,59% para mim já é bem legal. Lembre-se que você está posicionado numa das moedas mais fortes do mundo. Não adianta você ter 5% de Yield no câmbio que em um mês está R$ 2,00 para cada dólar e no ano seguinte salta para R$ 3,90 cada dólar. Se comprar $1 (um dólar hoje) ele continuará valendo $1 dólar amanhã. Isso é uma moeda forte.

Levantando um histórico de crescimento dos dividendos da JNJ teremos o seguinte:

Taxa crescimento dividendos JNJ
1 ano 3 anos 5 anos 10 anos
6,6% 6,3% 6,4% 7%

Vamos considerar um crescimento de 6,5% nos dividendos da JNJ.

Se somarmos 2,59% (yield) + 6,5% (crescimento dividendos) = 9,09% de retorno total esperado.

Um retorno de +9% é um excelente retorno. Novamente, lembre-se que é um retorno em dólar. Apesar de 9% já ser bem interessante quando o mercado se depara com um ativo desses ele geralmente acaba pagando mais e mais por isso.

Quer uma prova disso, vamos olhar ao longo de 10 anos históricos da JNJ.

Últimos 10 anos de retorno da JNJ
Comprei em abril 2009 por $51,40
Vale hoje abril 2019 $139,20
Nos 10 anos recebi de dividendos $27,40
Meu retorno total foi de 224,20%

Dando um retorno total de 224,20% um baita retorno CAGR de 12% ao ano. Dificilmente encontrará uma classe de investimento que entregue-lhe isso hoje. E a JNJ nem é um ativo tão top a nível de retorno, estou pegando um exemplo mais pobre para vocês não falarem que estou sendo tendencioso.

Conclusão

Quando combina ativos bons como os da carteira Top Picks do Ex-Dividend ou outros ativos como os que tenho na carteira passa a ter aumentos de 2,79% ao mês em seu patrimônio.

São 2,79% já retirando os aportes dessa conta, ou seja o patrimônio subtraído os aportes aumentou em 2,79% em um mês, não é ao ano não, faça as contas.

Em resumo, pare de ficar olhando só DY para mensurar o retorno de um ativo, pois estará olhando só metade do bolo e pare também de ficar olhando apenas o ganho de capital porque estará perdendo a outra metade.

Não adianta cavar rápido e fundo se está cavando no lugar errado.

Você perde muitas oportunidades porque está olhando para o lugar errado.

(Visitado 562 vezes, 1 visitas hoje)
Empresas de Crescimento de Dividendos

Empresas de Crescimento de Dividendos

crescimento dividendoNo mercado brasileiro é bastante difundido o jeito Peter Lynch de investir que classifica as empresas de acordo com seus desempenhos, se você ainda não leu o livro dele, One Up On Wall Street eu recomendo pois é uma literatura interessante ou pelo menos pesquise na internet que tem muito material espalhado por aí, acho que no site Fundamentus tem um artigo resumido a respeito do livro, enfim ele categoriza as empresas da seguinte forma:

  • Slow Growers – Crescimento lento.
  • Stalwarts – Crescimento moderado.
  • Fast Growers – Crescimento rápido.
  • Cyclicals – Cíclicas.
  • Turnarounds – Empresas em reestruturação.
  • Asset Plays – Ricas em ativos.

Essas classificações são importantes para equilibrarmos nossa carteira, o ideal é termos um pouco de cada tipo de empresa no nosso portifólio, esse mix é que vai permitir que consigamos manter um retorno satisfatório no longo prazo. Como esse assunto das classificações já está bem abordado por aqui não vou ficar entrando muito em detalhes.

Acontece que no mercado americano agente vê o pessoal falar muito das empresas de DIVIDEND GROWTH ou seja empresas de Crescimento de Dividendos. Eu acho que essa classificação não emplacou aqui no Brasil porque a única empresa que se encaixa nesse quadro é a Ambev, as outras empresas não conseguiram nem passar na primeira regra.

Já no mercado Americano temos diversas empresas que podem ser categorizadas como de Crescimento de Dividendos e vamos aprender como identificar essas empresas.

8 Regras

Existem 8 regras para selecionar empresas de Dividend Growth (Crescimento de Dividendos), a partir de agora vou utilizar apenas o termo em português. As 8 Regras mostram porque investir em empresas com crescimento de dividendos tem sido tão eficaz, tanto por meio de evidências históricas quanto através de alguns dos maiores investidores dos últimos 100 anos.

  • Cada regra é baseada em princípios por parte dos investidores.
  • Cada regra é quantificável e acionáveis.
  • Cada regra é academicamente testada e historicamente tem os melhores resultados no longo prazo.

Nota: Eu utilizo algumas das regras e algumas outras eu descarto porque não entra muito no meu perfil de investimento, nesse caso aconselho analisar o que se enquadra melhor no seu perfil e tirar suas conclusões a partir disso, lembrando que não se deve usar as regras isoladamente, mas trabalhando com elas em conjunto.

Regra 1 – O que comprar

Idéia: invista em grandes empresas que têm um histórico de estabilidade, crescimento e rentabilidade comprovada de longo prazo. Não há lógica se tornar sócio de um negócio que você não tem certeza de que prosperará quando se tem a oportunidade de possuir um grande negócio que sempre gerou frutos por longos anos.

Regra financeira: Invista apenas em ações com 25 ou mais anos de pagamentos de dividendos, sem redução. Essas empresas são chamadas de Dividend Aristocrats.

Evidência: As ações de Dividend Aristocrats (empresas com mais de 25 anos de aumento de dividendos) superaram o S&P 500 ao longo dos últimos 10 anos por 2,88% ao ano.

Regra1

Regra 2 – A regra da negociação

“Preço é o que você paga, valor é o que você tem” – Warren Buffett

Idéia: Investir em negócios que lhe pagem sempre mais dividendos em valor para que você possa aumentar o seu fluxo de caixa a partir de seus investimentos.

Regra financeira: Ranking de ações por Dividend Yield.

Evidência: Os 20% de ações com melhores DY superou os 20% de ações com DY mais baixos em 1,76% ao ano a partir de 1928 a 2013.

regra2

Regra 3 – A Regra da Segurança

“O segredo do bom investimento em 3 palavras; margem de segurança” – Benjamin Graham

Idéia: Se uma empresa está pagando todos os seus lucros na forma de dividendos eles não terão capital para fazer o negócio crescer. Quando ocorrer uma desaceleração forte no negócio ou na economia de modo geral, eles terão que cortar os dividendos. Invista em empresas que tenha lucros maiores do que eles pagam de dividendos assim tornando o pagamento de dividendos seguro.

Regra financeira: Ranking de ações por Payout.

Evidência: Empresas com Payout baixo superou empresas com alto Payout em 8,2% por ano de 1990 a 2006.

regra3

Regra 4 – A regra do Crescimento

“Tudo que você precisa para uma vida de investimento de sucesso é de alguns bons vendedores” – Peter Lynch

Idéia: Investir em empresas que tenha histórico de crescimento sólido. Se uma empresa tem mantido uma elevada taxa de crescimento por vários anos, é provável que continue a fazê-lo. Quanto mais a empresa cresce, mais rentável para o investidor ela se torna.

Regra financeira: Ranking de ações por crescimento da receita no longo prazo, não utilize informações com menos de 10 anos.

Evidência: Ações de dividendos crescentes superaram ações com dividendos imutáveis em 2,4% ao ano de 1972-2013.

regra4

Regra 5 – A mente em paz

“A psicologia é provavelmente o fator mais importante no mercado – e o que é menos compreendido” – David Dreman

Idéia: Olhe para as empresas que investem em pessoas durante as recessões e momentos de pânicos. Estas empresas terão um preço de ação relativamente estável,  que irá torna-los mais fáceis de segurar no longo prazo.

Regra financeira: Ranking de volatilidade no longo prazo.

Evidência: O índice Low Volatility S&P superou o S&P 500 por 2% ao ano num período de 20 anos.

regra5

Regras 6 e 7 – Quando Vender

Regra 6 – A regra do caro

“Quando o porcos engordam, devem ser abatidos” – Desconhecido.

Idéia: Se lhe oferecem 500.000 por uma casa que vale 250.000 você deve aceitar. É o mesmo raciocínio com ações. Se você pode vender uma ação a um preço muito maior do que ela vale a pena, você deve fazer. Pegue o dinheiro e reinvista em empresas que pagam dividendos mais elevados.

Regra financeira: Vender quando o P/L ficar superior a 40.

Evidência: O decil de ações com P/L mais baixo bateu o decil mais alto por 9,02% ao ano de 1975 a 2010.

regra6

Regra 7 – A sobrevivência do mais apto

“Quando os fatos mudam, eu mudo minha mente.” – John Maynard Keynes

Idéia: Se você possui um estoque e ele reduz o dividendos, estará pagando menos ao longo do tempo. Este é o oposto do que deveria acontecer. Você admite que o negócio perdeu a sua segurança e reinveste o lucro da venda em um negócio mais estável.

Regra financeira: Vender quando o pagamento de dividendos é reduzida ou eliminada.

Evidência: Ações que reduziram ou eliminaram seus dividendos tiveram um retorno de 0% de 1972 a 2013.

regra7

Regra 8 – Gestão de portfólio

“Os únicos investidores que não devem diversificar são aqueles que tem 100% do tempo” – John Templeton

Idéia: Diversifique as ações em sua lista de ativos, coloque ao menos 10 empresas de setores diversos e classifique -as em ordem de menor para maior participação na carteira, invista nas que tiverem o menor percentual na carteira.

Regra financeira: Depois de montada a carteira, compre ações que tenha a menor representatividade na sua carteira.

Evidência: 90% dos benefícios da diversificação vem de possuir apenas 12 a 18 empresas.

Conclusão

Quem me acompanha no blog sabe que eu não gosto muito dessa coisa de formula e analise matemática ao extremo. Eu acho que investimento precisa de um pouco de percepção de mercado, entendimento do case de negócio da empresa, enfim… apesar disso eu entendo que essas formulas e regras podem ser úteis, principalmente para aqueles que estão começando nos investimento como eu, pois é através delas que conseguimos filtra as empresas e temos um parâmetro básico do que é bom ou ruim.

Eu me identifiquei muito com essa metodologia de empresas de Crescimento de Dividendos tanto que no meu portifólio a grande maioria de empresas se encaixam nesse perfil, de alguma forma eu me sinto confortável sabendo que estou investindo numa empresa que paga dividendos a tanto tempo e melhor que isso vem crescendo esses pagamentos ao longo dos anos.

Uma pena que esse modelo não consiga encaixar a nível Brasil, claro sem fazer alteração na regra 1, mas  no mercado Americano existem diversas empresas que crescem os dividendos a mais de 25 anos. Abaixo vou listar as minhas Dividend Aristocrats, empresas que eu possuo e desde quando elas tem crescido no pagamento de dividendos:

Crescimento de dividendos desde
Ano Empresa Código
1987 Chevron Corporation CVX
2010 Well Fargo & Company WFC
1962 Johnson & Johnson JNJ
1976 McDonalds Corp MCD
2001 Norfolk Southern Corp NSC
1962 The Coca-Cola Company KO
1982 Aflac Inc AFL
1957 Emerson Electric Co EMR
1956 Procter & Glamber PG
1958 3M Co MMM
1974 Wal-Mart Stores WMT
1983 AT&T T
2003 Interl Corporation INTC
1964 Colgate Palmolive CL

Algumas dessas empresas não tem links porque vou efetuar a compra esse mês dezembro.

Estou preparando uma lista com umas 100 empresas que possuam crescimento no pagamento de dividendos a mais de 10 anos, isso vai servir de base de estudo para aqueles que se interessaram pela metodologia ou que tenha interesse em analisar o mercado americano.

Veja a lista com as empresas que pagam dividendos crescente a mais de 5 anos.

(Visitado 1,022 vezes, 1 visitas hoje)